Eleições 2022


Ex-prefeito de Xanxerê pode ser candidato ao governo de SC

Por: Repórter da Redação 25/06/2022 às 16:10 Atualizado: 02/07/2022 às 23:09

Uma articulação nos bastidores tem aumentando as chances de Xanxerê voltar a ter um candidato na chapa majoritária ao Governo de Santa Catarina.

Durante a semana, o PSDB intensificou as negociações para definir em qual coligação vai estar durante as Eleições de 2022 para a disputa pelo Governo do Estado.

São duas possibilidades. A primeira delas é de ser vice do PP, que já tem praticamente certa a candidatura do senador Esperidião Amim. A segunda, ser vice do atual governador Carlos Moisés.

E é aí que entra o nome de um ex-prefeito de Xanxerê.

A articulação estaria sendo capitaneada pelo atual deputado estadual Marcos Vieira e, pelo que apurou a equipe do TSX, tem preferência pelo PSDB estar com o atual governador.

A equação já estaria bastante avançada e só estacionou, um pouco, após o MDB admitir a possibilidade de apoio para Carlos Moisés desde que tenha as duas vagas na majoritária, ou seja, vice e senado, o que pode levar o PSDB a deixar o governador e ir apoiar Esperidião Amim.

Mas onde entra o ex-prefeito de Xanxerê nisso? (E você já deve estar curioso para saber quem é ele, não é? Então vamos lá)

De acordo com informações recebidas pelo TSX, isso começou a tomar forma após o deputado estadual Marcos Vieira ter sido incentivado pelo grupo político pensante do atual governador de SC para auxiliar em uma operação que poderia levar o próprio Marcos Vieira ao tribunal de contas do Estado, em uma vaga que deverá ser antecipada ainda para este ano, através da renúncia de um dos atuais conselheiros. Com isso, Marcos Viera não vai disputar as eleições de 2022. Mas, para isso, ele teria recebido como missão do governo encontrar um vice que tenha o perfil que eles entendem ser adequado:  EMPRESÁRIO, DO AGRONEGOCIO E QUE SEJA DO OESTE.

Neste contexto foi que surgiu o nome de Bruno Bortoluzzi, do PSDB, ex-prefeito de Xanxerê, empresário, representante do agronegócio e naturalmente da região Oeste e ainda com uma situação peculiar e considerada emblemática, pois é da mesma cidade de Gelson Merisio, candidato que disputou a última eleição com Carlos Moisés. O cenário perfeito, já que atualmente Merisio apoia Décio Lima do PT, podendo até mesmo ser vice e vai estar novamente contra o atual governador, pelo menos no primeiro turno.

   Moisés com Bruno Bortoluzzi: Uma possibilidade 

  Amim com Bruno Bortoluzzi: Uma alternativa

Segundo relatos apurados pelo TSX, Marcos Viera esteve com Bruno Bortoluzzi e o convenceu a ficar em condições de ser candidato, para caso a ideia avance. Para isso, Bruno precisava deixar o cargo de Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Xanxerê, para o qual foi eleito no período de 10 de dezembro de 2019 à 10 de de dezembro de 2023.

O ex-prefeito gostou da ideia e cumpriu sua parte encaminhando para a diretoria do sindicato, no último dia 30 de maio, um ofício, com assinatura reconhecida em cartório e que a reportagem do TSX teve acesso. Nele Bruno escreve:

“.....No ensejo, informo que a decisão de renúncia se deve ao fato de que coloquei meu nome a disposição do partido político em que estou filiado para disputar as convenções partidárias que irá escolher os candidatos para disputar as eleições eleitorais do pleito de 2022. A renúncia é necessária para fins de atender a legislação eleitoral...”

O texto deixa claro a intenção do ex-prefeito de ficar em condições de ser candidato, confirmado as especulações que pode mesmo ser o nome indicado pelo PSDB para vice governador, pois atende todos os requisitos considerados no perfil ideal de um bom vice.

 
Com a possibilidade do MDB entrar na coligação do atual governador e exigir as duas vagas, o PSDB pode trocar de endereço e ir ser vice do PP, que terá Esperidião Amim ao Governo e também já definiu o atual deputado Kennedy Nunes ao senado. Neste caso, a articulação indicando o nome do ex-prefeito de Xanxerê também pode ser mantida, pois é vista com simpatia pelo Progressista, embora, neste caso o controle das negociações já não seja mais tanto do deputado Marcos Viera, e sim, do grupo liderado por Leonel Pavan, Dalirio Beber e o Prefeito de Concórdia, que é o atual presidente do partido em SC.

Pelo que se sabe, Bruno Bortoluzzi tem evitado falar sobre o assunto e apenas aguarda o desenrolar dos acontecimentos, pois mesmo com o MDB estando com Moisés, consta que o deputado Marcos Vieira ainda não desistiu de buscar a vaga de vice para o PSDB, ficando o MDB apenas com a vaga ao senado, o que em tese os emedebistas não se mostram muito dispostos a aceitar.

Independente do que venha a ocorrer, a região da Amai tem tudo para voltar a ser protagonista nas eleições estaduais de 2022, pelo menos nas candidaturas postas, como já ocorreu em 2018, quando Gelson Merisio, de Xanxerê, foi candidato ao Governo de SC e Alcimar Kiko Oliveira, de São Domingos, foi candidato ao cargo de vice-governador na chapa que tinha o petista Décio Lima como candidato ao Governo.

Agora em 2022, já temos na disputa ao Governo de SC, Eron Giordani (PSD), de Faxinal dos Guedes, que será vice de Gean Loureiro do União Brasil e, se confirmar, Bruno Bortoluzzi pode ser vice ou de Carlos Moisés ou de Esperidião Amim.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS